Pages

Ads 468x60px

,

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

A SINDROME DO PODER

Será uma doença ou um simples desvio de comportamento?
Nossa cultura é marcada pela forte influência coronelista. Foram muitos anos sob as ordens destas figuras: os coronéis, que perderam espaço, no decorrer do tempo, para a democratização no país. A figura explícita não existe mais, mas por outro lado está na forma de pensar, agir e sentir de muitos que ocupam cargos, sejam públicos ou privados.
Quantas vezes você ouviu a frase: “... você sabe com quem está falando?” Outra frase muito pronunciada é: “...faça assim porque eu quero que seja assim!” São frases que sempre expõe a primeira pessoa do singular no ápice do autoritarismo para que alguma vantagem seja conquistada ou que a “autoridade” prevaleça. A Síndrome do Poder faz com que as pessoas venham a imaginar que detém um poder maior do que as outras. Muitas vezes, este poder ilusório é herdado por tradição ou pela força bruta.

Estas pessoas são inseguras e com incapacidade de serem transparentes com os seus semelhantes e com o meio em que vive, possuindo uma visão unilateral dos processos de interação. A síndrome do poder ou da cadeira é uma atitude de autoritarismo por parte de um individuo que, ao receber um poder, usa de forma absoluta e imperativa sem se preocupar com os problemas periféricos que possa vir a ocasionar. Este comportamento, surge quando aqueles que não se contentam com sua pequena parcela de poder exorbitam sua autoridade. As principais características comportamentais latentes ou aparentes de uma pessoa que sofre da SÍNDROME DO PODER são as seguintes:
1 – não aceita ser contestada;
2 – persegue aqueles que discordam dela;
3 – age com falsidade;
4 – humilha subordinados na frente de outras pessoas;
5 – manipula para conseguir seus intentos;
6 – gaba de sua posição deixando claro quem manda;
7 – não sabe liderar;
8 – considera inimigo todos aqueles que pensam diferente dela;
9 – possui falta de personalidade;
10 – é dissimulada.

Se nas relações profissionais privadas isso se torna algo que pode levar até a falência da empresa, imagina essas pessoas agindo no serviço público. A conduta ética no serviço público é o reflexo das atitudes do próprio servidor na sua vida particular. Se ele aprendeu a tirar vantagem sobre tudo para alcançar seus objetivos pessoais, irá fazê-lo, também, enquanto servidor público. Aquilo que é certo para um, pode ser errado para outro. Aquilo que é legal para um, pode ser ilegal para o outro. Então, a conduta ética de qualquer pessoa, principalmente do servidor público deve-se primar sempre pelo bem coletivo, pelo respeito ao seu semelhante e observância das leis.

A falta de credibilidade, principalmente dos gestores políticos, faz com que recaia sobre os ombros dos servidores públicos essa carga ruim de que todos são ladrões ou que não trabalham. Os servidores públicos corretos e que exercem suas atividades com responsabilidade são massacrados, recriminados ou perseguidos por não entrarem nos "esquemas". Nesse caso, sofrem algum tipo de assédio, ou seja, são forçados a irem contra seus valores para que sejam aceitos, principalmente pelos seus superiores hierárquicos - aqueles que sofrem da Síndrome do Poder, - porém, se mantém firmes atuando de acordo com os princípios constitucionais da administração pública. Por outro lado, alguns servidores que são manipuláveis bajulam aquele que detém o poder pela manutenção do seu emprego e engrossam a massa de servidores sem comprometimento com o bem coletivo em nosso país.
A Síndrome do Poder passa a ser uma patologia quando o comportamento se torna crônico, ou seja, mesmo longe do poder a pessoa quer exercer o poder que pensa que possui. Quando a realidade lhe é mostrada, mergulham em um estado depressivo obsessivo. Ela exerce um efeito colateral de tamanha magnitude em quem se dispõe a sofrê-la, causando na maioria dos casos: cegueira (não visual), ambição, surdez (não auditiva) e, principalmente, amnésia. Há relatos também de “sintomas” de cinismo e desonestidade.
Esta síndrome faz o doente ficar no mundo da lua, achando que será eterno no cargo e que nunca deixará de ocupá-lo. A pessoa se torna incapaz de admitir um erro, procurar ajuda ou se colocar numa posição de humildade para dialogar com urbanidade, coerência e sem querer impor a sua falsa autoridade para conseguir o que se pretende.
Você, portanto, que se encontra neste estado, não esqueça: “o poder é efêmero”. Se quiser ter sucesso, não será sozinho que o conquistará, pois ninguém faz sucesso se não pelo apoio de todos da equipe. Humildade é um bom começo. Se você é dono de uma empresa, não esqueça que poderá ser demitido por sócios, executivos ou credores, pois ninguém se sustenta eternamente no poder sem exercê-lo de maneira ética e legal. Se exercer um cargo público de confiança pelo voto ou por indicação, lembre-se: um dia a confiança termina, os interesses mudam e o poder acaba.
“Se você quiser saber o que um homem é, coloque-o numa posição de poder.”

A MIRANTE DA VERGONHA

A MIRANTE DA VERGONHA

Blogger templates

VEJA AS HORAS NO MUNDO